MULHER SE MASTURBA, SIM! E QUEM NÃO FAZ, DEVERIA FAZÊ-LO.

Você já pensou que a masturbação pode ser o início de uma vida sexual com prazer e saúde?!

 

A masturbação é tão antiga quanto a humanidade e comum tanto no universo masculino quanto no feminino, embora alguns estudos revelem que é ainda mais praticada pelos homens. Por isso, é bom deixarmos bem claro: mulher se masturba sim, e às que não se masturbam, aconselho que o façam, e o quanto antes!

 

Para começar, vale explicar que masturbação não é nenhuma técnica pornográfica ou rebuscada demais. Quando se ouve essa palavrinha – que para algumas mulheres chega a soar como palavrão – muitas pessoas nem sabem o que ela realmente significa, de onde veio e tal. A palavra masturbação é formada por duas palavras latinas: “manus” que significa “mãos” e “tubari” que significa “esfregar”. Ou seja, trata-se de qualquer tipo de toque, em princípio feito com as mãos. E, no nosso contexto cultural, o objetivo é sentir prazer. Muitos são os tipos de toques que podem gerar prazer. Tantos que, muitas vezes, eles são descobertos por acaso. A pessoa nem estava com essa intenção e, de repente, sente que determinado movimento, feito de certo modo, lhe provoca esse sentimento.

 

A diferença entre relação sexual e masturbação é que a primeira tem sempre a presença e a participação de outra pessoa, enquanto que masturbação é feita, em princípio, pela própria pessoa, em si mesma. É o autoprazer. A prática autoerótica. Mas isso não impede que uma pessoa seja masturbada por outra, caso as duas queiram.

 

Como disse anteriormente, em princípio e até pelo significado da palavra, os toques são manuais, isto é, feitos com as mãos da própria pessoa ou de um parceiro. Mas com a evolução sexual, vieram os acessórios, que podem facilitar e incrementar a masturbação. Além disso, é muito comum a combinação dos dois estímulos simultaneamente: mãos e acessórios. Quando falamos de masturbação masculina, logo vem a imagem clássica do homem se manipulando. Ou seja, por meio de movimentos de vai e vem, os meninos aprendem – desde muito cedo – que podem (e que estão autorizados a) sentir prazer sozinhos e até chegarem ao orgasmo.

 

No entanto, quando falamos de masturbação feminina, a história pode não ser tão simples assim. Também por questões culturais, ainda muito pouco se fala sobre ou se aceita abertamente esta prática pelas mulheres. Aliás, já conheci algumas que se tocavam com o intuito de descobrir ou de repetir um prazer experimentado anteriormente, mas nem sabiam que estavam se masturbando.

 

Algumas mulheres resolvem tentar, mas sequer sabem como e por onde começar. Até pela estrutura física e porque a vagina é um órgão bem mais escondido que o pênis, os movimentos não são tão óbvios quanto é para os homens.

 

Agora, é o tempo da descoberta e da quebra de preconceitos e paradigmas, principalmente os sexuais.

 

A masturbação não é um ato vergonhoso ou sujo, como algumas pessoas pensam. Trata-se apenas de uma forma de conhecer seu próprio corpo e as sensações que ele pode provocar. Muitos ainda acreditam que somente os adolescentes se tocam, mas isso não é verdade. Os adultos e até os idosos também o fazem, talvez com frequências diferentes, mas não deixem de fazê-lo.

 

Muitas mulheres sentem prazer em zonas como mamilos, parte interna de coxa e pequenos lábios. E não é só o lugar que importa, mas também o ritmo, a pressão do toque. Cada uma tem sua própria sensibilidade e tudo isso muda de acordo com muitos fatores, época do mês ou níveis hormonais. Ou seja, o corpo da mulher é sempre uma surpresa, uma chance de experimentar outros prazeres.

 

Enfim, masturbar-se não faz mal. Ao contrário disso significa saúde para quem pratica. Por isso, em vez de dizer “não” quando o convite for para tentar se masturbar, diga “por que não?” e tente. Ao menos tente. Você merece entrar em sintonia com seu próprio corpo.

 

Semana que vem ensinarei como e por onde começar este conhecimento pouco falado e talvez tão desconhecido para tantas mulheres. E para quem já tem esta prática como podemos aprimorar nossos prazeres!